fbpx

Imunoterapia Com Alérgenos: Vacinas Terapêuticas Para Doença Alérgicas

  1. A imunoterapia com alérgenos consiste na administração de quantidades gradualmente crescente de uma vacina de alérgenos a um paciente alérgico, até atingir uma dose efetiva capaz de promover a redução dos sintomas associados à exposição subseqüente ao alérgeno causal.
  2. Estudos controlados demonstram que a imunoterapia com alérgenos é um tratamento efetivo para pacientes com rinite/conjuntivite alérgica, asma e reações alérgicas a picada de insetos.
  3. O tratamento de doenças alérgicas baseia-se em evitar o alérgeno, farmacoterapia, imunoterapia com alérgeno e educação do paciente. A imunoterapia, quando adequada, deve ser usada em combinação a todas as formas de tratamento, com o objetivo de permitir que o paciente alérgico se torne assintomático o mais rápido possível.
  4. A imunoterapia com alérgenos está indicada está indicada para pacientes que tenham apresentado doença com evidências de mecanismo dependente de anticorpos IgE específicos a alérgenos clinicamente relevantes.Os motivos para a prescrição da imunoterapia com alérgenos dependem do grau no qual os sintomas podem ser reduzidos por medicamento, da quantidade e do tipo de medicamentos necessários para controlar os sintomas e da possibilidade de se evitar efetivamente o alérgeno.
  5. A resposta à imunoterapia é especifica para o alérgeno ministrado. Misturas de alérgenos não relacionadas à sensibilização do paciente não devem ser utilizadas.
  6. Os médicos devem conhecer a aerobiologia local e regional e o nível de exposição do paciente em sua residência e no ambiente de trabalho. Somente médicos com treinamento em aerobiologia (alergia/Imunologia) devem prescrever a vacina cujos alérgenos tenham relevância clínica para a imunoterapia.
  7. A qualidade da vacina com alérgenos é essencial tanto para o diagnóstico como para o tratamento. Sempre que possível, vacinas padronizadas com potência e validade conhecida devem ser utilizadas na imunoterapia com alérgenos.
  8. O emprego de vacinas bem caracterizadas e padronizadas torna possível definir uma dose ótima de manutenção para vários alérgenos primários, na faixa de 5 a 20 microgramas do alérgeno principal por aplicação. A eficácia terapêutica está relacionada a essa dosagem.
  9. O principal risco da imunoterapia com alérgenos é a anafilaxia. Portanto, ela deve ser aplicada por ou sob supervisão rigorosa de um médico treinado e capaz de reconhecer os primeiros sintomas e sinais da anafilaxia e instituir o seu tratamento de emergência.
  10. A duração ótima da imunoterapia ainda é desconhecida. Aconselha-se três a cinco anos de tratamento para paciente que tenham obtido boa resposta terapêutica. Contudo, a decisão de interromper a imunoterapia deve ser individualizada.

 

WHO Position Paper. Allergen immunotherapy: therapeutic vaccines for allergic diseases. Allergy 53(44): 1-42, 1998.

Tradução: Informe da Organização Mundial da Saúde. Imunoterapia com alérgenos: Vacinas terapêuticas para doença alérgicas. Rev. brás.alerg.imunopatol.

Compartilhe esta matéria

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram
Share on twitter
Share on linkedin
Share on skype
Share on weixin

Comentários

LEIA TAMBÉM:

Duvidas?

Estamos prontos para atender você e sua familia!